sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

A desgraça de ontem

Nem sei o que dizer. A aula de ontem foi tão pobre para os meus lados, coitadinha. Vou ao Photoshop meter-lhes uma maquilhagem.






Não. Nem o Photoshop safa isto. Enfim.

quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

A minha primeira animação

Lembrei-me que seria engraçado colocar aqui a minha primeira animação de sempre. Isso pôs-me a pensar quando foi a primeira vez que fiz uma animação e levou-me aos tempos do secundário.

Estava no 12º ano e tive de fazer este trabalho para a disciplina de Desenho. É um flipbook (um livrinho em que se faz um desenho por folha). Isto foi em 2009, penso eu. Já o tenho há tanto tempo e nunca me passou na cabeça que podia digitalizar as folhas e meter no computador para ver como ficou a animação. Um desastre.


video

Está esquisito mas para primeira vez não está mau. Para alguém que não sabia nada do assunto até se percebe.

Hoje olho para trás e vejo que a minha passagem pelo secundário foi muito enriquecedora graças a uma professora fantástica que tive. Nesta disciplina fizemos de tudo um pouco e, fosse qual fosse o caminho que seguíssemos, pelo menos estávamos um pouco preparados para a etapa seguinte. Não nos limitávamos a desenhar nesta disciplina. Fazíamos maquetes, trabalhos gráficos, ilustrações, fotografias, montagens, textos e até animações.
Acima de tudo, éramos educados a pensar (já aqui disse que desenhar é uma forma de pensar) e nesse aspecto a minha professora foi muito inteligente.

Todas as semanas tínhamos uma tarefa para fazer no Diário Gráfico em que nos era dado um enunciado. Este enunciado deixava-nos sempre a pensar, como que um enigma ou quebra-cabeças. Só depois de resolvermos o problema é que passávamos para o desenho. Ou seja, as nossas respostas chegavam à professora em forma de desenho. Muito perspicaz. Gostava era de ter aproveitado melhor (eu era tão parvinho antigamente......ainda sou)

Um dia coloco aqui alguns desenhos desses diários antigos.

terça-feira, 28 de janeiro de 2014

Aula de hoje

"Lá vai o gajo mandar mais desenhos rabiscados que são uma seca". 
POIS VOU! E vou fazê-lo de peito aberto, tipo galo. E têm sorte em não cacarejar. Eu fico abominável quando cacarejo.

Enfim, tenho tanto a melhorar. Principalmente em fazer menos riscos.





sábado, 25 de janeiro de 2014

Rebentaram-me a casa

Na última noite houve uma inundação no nosso bairro. Ainda não percebo o que aconteceu mas com uma pouca chuva os esgotos aqui do bairro rebentaram e só se via água por todo o lado, tanto na rua como em casa. Ficámos com os móveis estragados, nada de mais. E as camas... Coisinha pouca.
Entretanto, enquanto os homens arranjam aquilo, nós temos de passar a noite num ginásio de escola. Nós e o bairro todo. E cozinhar na rua às escuras. Eu sempre quis acampar. Não queria era que fosse numa escola.


quarta-feira, 22 de janeiro de 2014

Acabou-se a choradeira

Só há um filme capaz de me levar às lágrimas.


E eu VENDI-OOOOOOOO (chora desalmadamente aos soluços com um lenço da Renova ranhoso, húmido e acabado.....e esfrega a manga no nariz).
É o Olx. O Olx está a dar cabo de mim por dentro. O mal começa nas entranhas e espalha-se pelo resto do corpo. Aquilo é como uma droga, é como o casino. Quanto mais se tem, mais se quer. Eu já não sei o que vender mais. Já pensei em vender o cão, mas ele ainda está na garantia e eu não quero desperdiça-la. Até já me passou pela cabeça vender a alcatifa da entrada mas já vi que depois o hall de entrada fica sem brio nenhum e nunca se sabe quando é que uma personalidade importante, como o Presidente da República ou assim, vem cá.
Eu até vendi O REI LEÃOOOOOOOOOOOOOOO (tem um ataque descontrolado e roça-se na parede em desespero.






Como é que eu fui capaz de tamanha traição. Estou a ficar louco. Enquanto estou a escrever isto já passou na TV o anúncio do OLX duas vezes. A música é pior que a do Pingo Doce, fica cá dentro e não sai mais (correcção, três vezes, acabou agora mesmo de dar...again). "OLX, é pró menino e pra menina!..." PAREM-NA!

Mas olha, 'tá feito, 'tá feito, não há volta atrás. Pelo menos acabaram-se os tempos de choradeira porque eu não consigo ver o "Papuça e Dentuça" sem acabar a chorar que nem uma menina. Quem já viu sabe de que cena é que estou a falar. Quem não viu, temos pena, é para aguçar o apetite.
Este é um filme para não ver com companhia. Eu vejo-o (ou via) sempre sozinho, não vão as outras pessoas pensar que eu tenho sentimentos, que isso é coisa de miúdas.
O meu coração está despedaçado e a minha alma está em luto. Não me falem nas próximas semanas a menos que seja para me oferecerem um pacotinho de bolachas Maria ou uma caixa de Ferrero Rocher (se é para me darem Mon Cherries podem tirar o cavalinho da chuva que eu gomito aquilo tudo).

O meu objectivo de vida neste momento é comprar o DVD para substituir a VHS que perdi (também me podem oferecer o DVD, seria mais sensato). Já procurei no Olx, mas ele não está meu amigo.

Enfim, era só para dizer que este filme marcou a minha infância (e eu apunhalei-o nas costas). E que já não é o único que me faz chorar. Recentemente apareceram mais dois. O que é que se passa comigo? Estou mesmo a ficar com sentimentos...
Vejam este masterpiece da Disney.....porque eu já não posso vê-lo.....nem O Rei Leão....nem A Pequena Sereia........ Sim, eu CONFESSO! Também vendi a Pequena Sereia (chora outra vez). Eu ando na má vida, sou um mártir, ninguém sabe esta dor.

Levem-me a um grupo de Olxianos anónimos e depois internem-me e liguem-me àa máquinas.

segunda-feira, 20 de janeiro de 2014

No Meio do Nada

Se não vêem esta série.....mordam já o vosso braço esquerdo e atirem-se da ponte enquanto cantam "I Will Survive". É hilariante, ridícula, fantástica e toda a gente se consegue identificar com uma das personagens.
Trata-se do dia-a-dia de uma família americana extremamente disfuncional, muito à semelhança de "Uma Família Muito Moderna" ou "Malcolm In The Middle" e outras tantas séries sobre famílias que está muito na moda neste momento. 


Há imenso tempo que estava à espera da 4ª temporada. Eis que esta manhã ligo a TV na Fox Life e reparo que ela chegou. Não sei se começou hoje, mas era o episódio 1 e 2 (e mais tarde deu o 3 e o 4). Neste momento já vai na 5ª série (na América). Aproveitem. Se pensavam que tinham uma família do pior, ainda não conhecem os Heck. Vão rir-se, com toda a certeza, das situações bizarras que vão ver e perceber que por pior filhos, irmãos ou pais que pensem ser, a família que têm é a que vos calhou, portanto, aproveitem-na.

Já não vejo televisão como antigamente e não tenho tempo para acompanhar religiosamente uma série. Esta é perfeita nesse sentido porque é possível escolher um episódio qualquer e vê-lo sem que haja a condicionante de informação perdida dos episódios anteriores.
Muitas vezes a minha mãe zanga-se comigo por isto e por aquilo. Nessas alturas gostava de lhe mostrar esta série para ela ver o Axl. Vai logo pensar que sou mesmo bonzinho ao pé dele.

Fiquem com uma cena.



domingo, 19 de janeiro de 2014

Sou um mau Pirata

"Arrrghh! Tragam-me uma garrafa de rum." diria eu se fosse um bom exemplar de pirata. Como não sou, digo "Boa tarde, é um copinho de leite, por favor......com duas colherzinhas de Nesquick. E numa caneca do Winnie The Pooh, se for possível".
Mas felizmente este tipo de piratas já não existe. O pirata moderno faz malandrices como.....roubar filmes. MHUHAHAHAHA (gargalhada de um pirata maléfico). Já nem sei qual tipo de pirata é pior.

Esta é a verdade de hoje. Vivemos numa era em que a internet nos dá tudo de mão beijada e babada, que até nos dá o que não devia. Basta ir aos sítios certos, fazer umas malandrices e em menos de uns minutos temos um filme, uma trilogia, uma música, um álbum ou uma séria inteira no computador.

Chega aqui a parte de eu ser um mau pirata. Não sei sacar pirataria da internet. Sou um nabo. Das poucas vezes que tentei só fiz porcaria. Ou vem num tipo de formato que não sei o que é, ou vem sem som, ou vem com vírus que me estragam o computador, ou fica pequenino no ecrã...E vem sempre sem legendas, SEMPRE. Porquê? Porque eu não sei sacar legendas para pôr nos filmes, por isso vejo sempre sem legendas. Prefiro ver um filme sem legendas (excepto se não for inglês). Eu gosto de apreciar a imagem dos filmes, principalmente de animação, ver todos os pormenores e perguntar-me como terão feito aquilo. As legendas só estorvam. 




Não estou por dentro da coisa, mas parece que agora os filmes já estão na internet mesmo quando ainda estão no cinema. Soube hoje que o "12 Anos Escravo" (que ganhou o Globo de Ouro para melhor filme e eu quero ver) já está disponível. Como é que fazem isto? Como? Alguém me explica? O que eu estou a imaginar na minha mente ingénua: um jovem pirata que trabalha num cinema americano escapa-se do seu dever para ir à sala do projector roubar o filme para o seu computador à la Missão Impossível. É isto que acontece? Esclareçam-me.
Seja como for, acho que isto tira o encanto de ir ao cinema ver um filme. Estar numa sala escura repleta de gente a partilhar os risos (ou lágrimas, se forem ver um "Marley e Eu"), isto para mim é cinema. Desculpem-me o romantismo, mas adoro a sensação de entrar numa sala escura que durante uma hora ou duas me vai transportar para outro universo impossível, tão bem elaborado e desenvolvido (espero sempre). E eu quero saborear cada momento dessas horas. 
Quando acabo de ver um grande filme, daqueles que dão arrepios no clímax, só quero falar dele depois disso. Se pudesse até saía da sala aos pulos como uma menina. Isto aconteceu recentemente com o "Frozen". E espero que aconteça muitas mais vezes. Não queria viver num mundo sem cinema.

Sou um antigo, é o que estão a pensar. Sou antigo, velho de ideias e estou condenado. Pois que condenado esteja. Eu devo ser a última pessoa hoje em dia que compra DVD's, que começam a ser cada vez mais escassos nas prateleiras das lojas. Mais escassos e com qualidade inferior. Lembro-me que na altura do VHS, cada cassete era tão bem trabalhada como um relógio suíço. Desde o design da capa, aos extras, etc. Hoje enfiam um CD branco para dentro da caixa e pronto. Mas eu continuo a comprar. Gosto de ter os filmes alinhados numa prateleira. Maníaco! Sim, sou maníaco. E esta mania agravou-se quando entrei para a área do cinema de animação e vi o quanto custa fazer um filme. 

Por fim, não vou acabar com um sermão a apelar-vos para que parem de piratear, porque isso nunca vai acontecer (o mal já está feito), MAS se no futuro alguma vez eu fizer um filme (um filme a sério), aí sim, vou apelar-vos com mais que um sermão. Vou-vos amarrar, esquartejar com a minha espada, atirar-vos da prancha, soltar os tubarões, salvar-vos do mar porque era só para assustar-vos, babar-vos até à morte, depois enterro-vos vivos, a seguir desenterro-vos e faço-vos a facada final (o pior mal que um pirata vos pode dar): TORTURAR-VOS a ver o Sozinho em Casa.........................oito horas seguidas.

MHUAHAHAHAHA! Estão avisados.

sábado, 18 de janeiro de 2014

Há uma pessoa nua na minha aula

Há umas semanas fui com a família almoçar (eu, os meus pais e a minha irmã). Levei o Diário Gráfico para desenhar, mas como é costume, não lhe toquei...preferi encher o papel da mesa de desenhos. Para mim é uma tentação ir a um restaurante e não desenhar na mesa. Não gosto quando me repreendem ou quando não há caneta. Assim que acabo de comer tenho de começar a riscar o papel. "Quem faz isso são as crianças", dizem vocês. Pois, por alguma razão escolhi esta área. Há quem goste. O empregado, que era um brasileiro muito divertido e simpático (o restaurante era brasileiro) meteu-se comigo a dizer que ia ficar com os desenhos. Parece que eles guardam todos os desenhos que as pessoas fazem nas mesas para um dia meterem todos numa parede. É uma ideia original.

Ao ver um desenho no meu caderno, a minha irmã perguntou exclamada se nós tínhamos um modelo nu. Respondi que era óbvio, ao que a minha mãe, mais chocada que um ovo numa frigideira, ficou também....chocada. 
Expliquei que já tinha tido aulas de modelo na Faculdade de Arquitectura ('para aí' em 2010), na Lusófona e agora.  Com o tempo já é uma coisa tão natural que já não penso nisso, por isso é engraçado ver as reacções das pessoas (mesmo da minha família, que já devia de saber, mas pronto...).

Fiquem com alguns desenhos da nua, então.




sexta-feira, 17 de janeiro de 2014

Uma Animação Polar

Não tenho muito orgulho nesta animação. Ainda assim, vou começar o blog com esta (que é para a qualidade ir aumentando).


Urso Polar on Vimeo.

Fiz este trabalho quando estava no 2º ano da faculdade (no curso de Animação Digital, na Lusófona), para a disciplina de Cultura Visual.
A coisa era simples. O professor deu-nos uma frase: "A vida num segundo". Tínhamos de desvendar o significado da frase e desenvolver uma animação sobre isso em 4 meses (um semestre). Quanto tempo é que eu demorei? Um mês. E o resultado foi esta coisa pobre, triste e insípida. Pior que a Bernardina a cantar num dia de chuva.

Fiz isto durante todo o mês de Janeiro de 2012. Penso que foi o pior momento que passei durante o tempo da faculdade. Como tive de fazer tudo em um mês (por motivos alheios a mim), fui obrigado a trabalhar sem parar (só parando para ir às aulas, dormir umas horitas e comer, claro). Estava tão aflito que trabalhava em todo o lado. Por exemplo, o plano em que a tabuleta cai na água foi todo feito sentado no comboio e no metro (sem mesa de luz, cheguei a encostar os desenhos na janela do comboio para conseguir ver através das folhas), houve outros que foram feitos durante as aulas das outras disciplinas, um que foi à mesa num almoço de anos com imensa gente e o primeiríssimo plano de todos foi feito no Natal, com a família cá em casa. E fiquei com umas dores nas costas que não desejo a ninguém. Eu explico.
Isto foi feito em animação tradicional, ou seja, desenhos em folhas. Fiz desenho atrás de desenho que quando são vistos todos de seguida dão a noção de movimento (pronto, vocês sabem como é que a coisa funciona). O problema é que eu não tinha uma mesa própria para o efeito, que deve ser inclinada para uma boa postura, e tive de usar a mesa da sala de jantar que é de vidro para colocar uma luz por baixo dos desenhos, e passei horas todos os dias dobrado sobre a mesa. Pareço uma velha a queixar-me.

Tinha de fazer um plano por dia. De manhã e à tarde fazia os desenhos na mesa. À noite digitalizava-os todos no scanner e depois tratava das imagens e montava tudo. Uma carga de trabalhos, foi o que foi.

Fiquem com uns desenhos de estudo.









As imagens estão um pouco esquisitas por causa da digitalização. E para acabar, uns desenhos originais.







quinta-feira, 16 de janeiro de 2014

Há pessoas simpáticas, há bizarras e há eu

Não posso ir desenhar para Lisboa sem trazer uma história para contar. Aqui vai a de hoje.

A semana passada (Quinta-feira) cheguei a Lisboa três horas antes da aula para realizar uns negócios.....do OLX, pensavam o quê? Não sou nenhum dealer. Sim, porque eu ando um viciadão no OLX, ninguém me pára de somar euros. Só paro quando vender a casa toda sem os meus pais saberem.
Depois do negócio tinha duas horas para anhar por Lisboa. Fui à Fnac do Chiado...nada de novo. Decidi sentar-me no rossio a desenhar.
Estava eu muito sossegado a desenhar isto:


Quando aparece um velho atrás de mim a topar-me os desenhos. Meteu conversa comigo a dizer-me que tinha mão para a coisa. Era um pintor e escultor amante de história da arte e acabou por me dar um cartão dele. Mas este homem não interessa para a história.

Continuei a desenhar e aparecem 3 homens a admirar o que eu estava a fazer, como se eu fosse um pró do desenho.Também meteram conversa. Eram divertidos. "Desenha aqui este gajo" - pediu-me um deles. Que nervos quando as pessoas me pedem para desenha-las. É que fica sempre aquém daquilo que elas esperam. Mas ok, aceitei o desafio de desenhar um deles rapidamente. E não é que até saiu bem?


Sou sempre crítico comigo mesmo mas até gostei deste. A seguir o homem disse "Agora desenha-me a mim". Tinha de ser.... Ia tão lançado do primeiro desenho quando faço está bosta:


Ficou horrível mas o homem gostou. Estavam fascinados como é que eu conseguia fazer pessoas só com uns rabiscos. Expliquei que não era assim tão bom e que ainda tinha muito que evoluir. Ele disse que também gostava de saber desenhar e pediu para fazer um desenho no meu Diário Gráfico. Claro, eu gosto que as pessoas desenhem no meu caderno. Sentou-se ao meu lado e pôs-se a desenhar aquele monumento alto no centro do Rossio. Fez isto:


Criticou-se mas continuou. O que ele gostava mesmo era de desenhar bonecos anime e fez este:

Ok, está engraçadito.
No fim, perguntei se queriam ficar com os desenhos. Recusaram e disseram que estavam ali todos os dias e para eu aparecer mais vezes. Fui embora para a aula. Fim da primeira parte.


Hoje (Quinta-feira), a mesma história. Fui mais cedo para Lisboa para vender umas cassetes no OLX. Duas horas a anhar. Sentei me no mesmo sítio a desenhar isto:

Quando desta vez aparece uma rapariga/mulher com uns dentes horrorosos. Era para pedir dinheiro, claro. Ia tentar fazer a cena de "estou a ouvir música e não oiço ninguém à minha volta nem que esteja a um metro de mim". Não resultou porque ela sentou-se ao meu lado. "Pronto, lá tenho de lhe dar uma moeda a ver se ela se vai embora". Pediu-me se podia escrever no meu diário enquanto eu tirava a carteira. Dei lhe 50 cêntimos e ela disse que não chegava porque ela precisava de 5 euros para ir comer ao Mc'Donalds. Será relevante dizer que ela já tinha na mão algumas moedas....imensas, aquilo já dava para dois Big Mac's. Mas o pior nem é isso. O pior era estar a pedir dinheiro para ir ao Mc'Donalds...aquela coisa insípida. Só me apeteceu dizer "Minha filha, vai mas é ao Celeiro comer, aproveitas e compras uma Pepsodent integral porque com esses dentes qualquer dia levas com o céu em cima".

Queria mais dinheiro e eu disse que não tinha (claro que tinha). "Deixa ver" disse ela enquanto metia a mão na bolsa das moedas para espreitar. Afastei a carteira e ela a insistir e a puxar com mais força. Eis que então aparecem os gajos da semana passada em salvamento e dizem à feiosa para não me chatear. Ela parou mas continuava a querer mais dinheiro. "Não, eu não gostei dessa atitude" respondi-lhe.
Desistiu mas ainda queria escrever no meu caderno. Era um poema:


Quando acabou devolveu-me o caderno e pediu-me para ler. Houve um momento de silêncio comigo a especar aquelas palavras que pareciam de médico. "Eu não consigo perceber esta letra, é melhor leres tu" e deixei-a ler.
Eu e os meus colegas tentámos descodificar a letra dela, penso que seja isto:

Um amigo é um irmão
Um tesouro que se tem
Sois vós as estrelas
Que nos guiam mais além
São momentos bons e maus
Nesta estrada percorrida
E digo mais não trocava Portugal
Por nada desta vida.

E por baixo o que penso ser "Muita desculpa. PS: Esquizofrenia. Psicose agressiva".

Nossa! Não me digam que ela deve ter fugido do Júlio de Matos para ir comer um hambúrguer ao Mc'Donalds. É que não era preciso ir tão longe para encontrar um Mc.

Enfim, ela acabou por se ir embora e eu agradeci aos homens e voltei a conversar com eles. Perguntei porque estavam naquele local todos os dias. Disseram que estavam a trabalhar, a fazer uns negócios. Eu respondi que também tinha ido fazer um negócio. Fui vender umas cassetes de vídeo no OLX (estou-me a rir a escrever esta parte). Pus-me a falar do OLX e eles: "Ahh, nós não fazemos esse tipo de negócios. Nós vendemos erva"........................................................................................................


Ai, ai Pipe! Como é que tanta ingenuidade cabe dentro de mim? Só me faltava perguntar: "Vendem erva? Ainda bem. Por acaso o nosso quintal está um bocadinho frouxo. É sintética ou orgânica?".
Eu prometo que quem ler isto ganha um vale de desconto para me dar uma valente bufetada com força, assim mesmo com brutidão, da próxima vez que me vir. Eu mereço.
"Não compras essas cenas, pois não?", perguntou um. "Não, eu não sou dessas coisas" respondi-lhe.
E pronto. Levantei-me e fui para a minha zona de conforto - o edifício da escola.

Ao menos esta experiência serviu para ver que os delaers até são simpáticos. Os verdadeiros dealers salvam pessoas das forças do mal. Tinha a ideia que eles eram todos maus e tinham uma cara feia. Não têm. São porreiros. Mas pelo sim, pelo não, não passem mais pelo Rossio (a menos que achem que a vossa vida precisa de ser apimentada). Fica aqui a dica.

Conclusões do dia: o Rossio é um sítio a evitar, Desenhar é um desporto perigoso e se algum dia tiverem um filho rezem para que não seja como eu.

quarta-feira, 15 de janeiro de 2014

Vamos lá começar

Palavras não é comigo. Nunca foi. Não sou uma pessoa de escrever nem falar. Uma vez tentei ler um livro d'Uma Aventura e assim que o abri fiquei logo tonto e com náuseas de tantas palavras à minha frente.
Quem me conhece sabe que falo pouco....muito pouco. Eu só falo às Segundas, Quartas e Sextas, nos outros dias apenas faço sons e aos Domingos só digo onomatopeias. É uma forma de vida muito engraçadita, experimentem. Vão começar a observar melhor as coisas que vos rodeiam. E é isso que acontece comigo. Funciono melhor por imagens. Mas mais tarde falo nisso.
Estas balelas todas só para começar desculpando-me se a minha escrita não estiver ao nível dos ultra textos caros, requintados e com metáforas fora deste mundo que vocês encontram noutros blogs. Aqui só vão encontrar uma escrita pobre e deslavada como os naperons que as nossas avós têm em cima das televisões, aqueles que já têm umas manchinhas horrendas. Portanto, vamos falar por imagens.

Queria mostrar alguns desenhos que faço nas aulas. Podia ter trazido ontem uns, mas não me lembrei. Amanhã não me escapam.
Tenho a sorte de ser uma pessoa que se enerva muito com os nervos e a semana passada não tomei um calmante antes de ir para a aula. Onde está a sorte? As folhas caíram-me todas da pasta e estatelaram-se pelo chão e eu agarrei nelas à la Hulk com uma junção de Tarzan pelo meio e rasguei-as todas num acto de descontrolado enraivecido enquanto batia com os punhos no peito e cantava "Under Pressure" dos Queen . 
Estou a brincar, eu agarrei nelas muito enervado e num movimento brusco guardei-as na mochila. 




"Ca porcaria é esta?", dizem vocês. Eu sei. Parecem desenhos feitos por um doente de Parkinson, mas foram feitos por mim. É isto que se faz. Ando eu a pagar para ir fazer riscos numa folha.

Isto são desenhos rápidos (Quick Sketches). É o exercício com que começamos a aula. Temos 30 segundos para olhar para o modelo e 30 segundos para desenhar. Parece fácil, mas não é porque é preciso treinar o cérebro e não a mão, como muita gente pensa. Desenhar é um processo que depende 90% Do cérebro. O mais difícil para mim é simplificar. É que eu sou como a Floribella, sou um brutamontes muito 'biolento' e às tantas risco a folha como se não houvesse amanhã, deixando um labirinto de traços sujos. O objectivo é ser rápido e simples.

Como vêem, ainda tenho um longo caminho pela frente. E o que se faz quando se tem um longo caminho pela frente? Metem-se uns fones nos ouvidos e arranja-se um Caprisonne....para o caminho, não vá ele ser muito grande e seja preciso uma bucha.

terça-feira, 14 de janeiro de 2014

O que é isto?

Ai, um blógui! Já tenho um blógui, sou tão chique. Só me falta um gatinho persa ao colo e uma chávena da Vista Alegre na mão. E para rematar, escrever um livro catita com os posts do blog daqui a uns anos.
Se veio aqui parar por engano, fique. Fique que isto vai aquecer. Se chegou cá porque eu o persuadi ou arrastei contra-vontade, fique também que eu vou oferecer uma chave de um Smart roxo às pintinhas amarelas....... Estou a brincar, é verde.

Que incorrecto, ainda não me apresentei. Para quem me conhece, digo "olá". Para quem não conheço digo "Que nojo, você tem camisa às riscas. Tão démodé". Digo também que o meu nome é Pipe e sou animador (isto soa tão mal, porque eu estou a anos luz de saber o que é animar. Vamos dizer que sou aspirante a...) pois adoro cinema de animação. É esse o propósito deste blog. Aqui quero expor e partilhar os meus trabalhos, sejam animações, desenhos, fotografias e também coisas da vida...da minha vida que é tão preenchida como um balde de água num dia de verão.
Tenho 22 anos, tenho uma licenciatura em Animação Digital na Universidade Lusófona e correntemente (que palavra tão cara!) estou a tirar um curso de Desenho na Sociedade de Belas Artes.
Mais não posso dizer. A não ser que sou bué fixe....buéda fixe. Eu transbordo de fixeza. Sou tão fixe que até a gomitar sou fixe. Por isso, venham cá todos os dias se quiserem inserir alguma cultura de elevada qualidade nos vossos cérebros reluzentes. E comentem! Comentem muito que eu gosto.

Já agora, para quem não percebeu, o nome do blogue é um trocadilho entre Imagination e Animation (foi a minha querida irmã que me deu a ideia, façam contas com ela). Somos tão básicos, meu Deus. Tão insonsos....